DOCUMENTOS IMPORTANTES para DOWLOADS

O que é a CASA DO ARTISTA RIOGRANDENSE:
Conforme o estatuto, art 1° e 2°, "sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, retiro destinado aos artistas necessitados, impossibilitados pela idade ou por motivo grave de prover o próprio sustento, dando-lhes abrigo, alimentação e condições dignas de sobrevivência, dentro das possibilidades da entidade".

DOCUMENTOS para DOWLOAD (clique nos links para abrir)
Casa do Artista PROJETO BASE
Estatuto da Casa do Artista Riograndense
Autorização para Débito em Conta Banrisul
Planta de Situação
Planta de Cortes
Planta de Fachadas
Declaração de Utilidade Pública Municipal
Diário Oficial da Declaração de Utilidade Pública Municipal
VISÃO DA DIRETORIA - Mostrar dedicação e persistência na melhoria da Casa do Artista Riograndense, mudando a injusta realidade atual, buscando construir um novo modelo de sobrevivência auto-sustentável.
Veja mais fotos e publicações recentes acessando: Facebook da Casa do Artista

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Casa do Artista tem alma


Atores, músicos e radialistas driblam a tristeza e o esquecimento fazendo o que mais sabem: cantar e interpretar dramas e belezas da vida


Wilson (E), José Carlos, Carlos La Porta e Conde  - Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS
Noel Rosa não era convidado, mas compareceu. Adoniram Barbosa chegou de fininho. Lupicínio só espiou. A festa na Casa dos Artistas Riograndenses estava armada. Em memória aos ídolos do passado, o ator e músico Zé da Terreira, 67 anos, puxa o coro dos presentes. E o samba pede passagem:
A casa, que acolhe talentos esquecidos da música, do teatro, do rádio e da televisão gaúchos no Bairro Glória, na Capital, se ilumina com Carlos La Porta, 76 anos, Wilson Roberto Gomes, 70, e Conde, 69. Agora o recital de sonhadores está completo, mas a letra de Noel os traz de volta à realidade:
Os hóspedes, claro, estão felizes, mas, quando o sol se põe, o medo desperta. E com ele, o pesadelo das incertezas do futuro. Na Casa, a tristeza segue na espreita atrás da porta. Mesmo assim, Zé, Conde, Carlos e Wilson não deixam o samba morrer, não deixam o samba acabar:
Quem é quem
Carlos La Porta, 76 anos, irmão de Júlio La Porta, xerife e homem do sino da Feira do Livro. Carlos foi ator e diretor de teatro e radioteatro, manequim, professor de cursos de teatro e de modelo. Hóspede desde 2011.
Carlos Conde, 69 anos, cantor. Nos anos 60 e 70, apresentou-se nas melhores casas noturnas da Capital. O repertório diversificado desse intérprete vai de Altemar Dutra a Djavan. Entrou na Casa em 2009.
Wilson Roberto Gomes, 70 anos. Artista plástico, ator, locutor e escritor de radioteatro. A pintura de temas abstratos na parede da sala de estar da Casa foi feita por ele. Entre idas e vindas, está há 26 anos ali.
José Carlos Peixoto da Silva, 67 anos, o Zé da Terreira. Ator e músico da Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, Zé é um agitador cultural em defesa do teatro popular. Fez uma ponta no filme Pra Frente, Brasil, de Roberto Farias, em 1982.
Outros moradores: Sirmar Antunes, Maria Therezinha Pereira Dias, viúva de Vanoli Pereira Dias, que ficou na história como o diretor da maioria dos filmes de Teixeirinha, Bayard dos Santos, Catulo Parra Fareia, Antônio Luiz Orestes Neto e Carlos Silveira Borges.
A Casa
Fundada em 1949, a Casa do Artista Riograndense (Car) abriga artistas com mais de 60 anos com dificuldade para se sustentar. O prédio da Rua Anchieta melhorou muito, mas precisa de reformas. A receita, obtida por meio de contribuições espontâneas, nem sempre cobre a despesa de R$ 1,5 mil mensais para manutenção do imóvel de 11 quartos, dez deles ocupados atualmente. A luz, por exemplo, é paga pelo ator Roberto Birindelli.
O presidente da Car, Luciano Fernandes, palhaço e professor de artes circenses, luta para manter os artistas com dignidade. Implantou um curso de informática para os hóspedes e obteve doação de R$ 20 mil da Vonpar para começar a reforma no prédio, orçada em R$ 110 mil.
A entidade também disputa recursos do Fundo do Idoso, mediante aprovação de projetos no Conselho Municipal de Assistência Social.
Como ajudar
A Casa fica na Rua Anchieta, 280, no Bairro Glória. Telefone: 9123-7519, com Luciano. Alimentos e material de limpeza e de higiene são bem-vindos.
A Casa também mantém uma página no Facebook.
Atração
No último sábado de cada mês, a entidade sem fins lucrativos promove, a partir das 15h, o Sarau na Casa, com encenações, música, poesia e radioteatro. O evento é aberto ao público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário