DOCUMENTOS IMPORTANTES para DOWLOADS

O que é a CASA DO ARTISTA RIOGRANDENSE:
Conforme o estatuto, art 1° e 2°, "sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, retiro destinado aos artistas necessitados, impossibilitados pela idade ou por motivo grave de prover o próprio sustento, dando-lhes abrigo, alimentação e condições dignas de sobrevivência, dentro das possibilidades da entidade".

DOCUMENTOS para DOWLOAD (clique nos links para abrir)
Casa do Artista PROJETO BASE
Estatuto da Casa do Artista Riograndense
Autorização para Débito em Conta Banrisul
Planta de Situação
Planta de Cortes
Planta de Fachadas
Declaração de Utilidade Pública Municipal
Diário Oficial da Declaração de Utilidade Pública Municipal
VISÃO DA DIRETORIA - Mostrar dedicação e persistência na melhoria da Casa do Artista Riograndense, mudando a injusta realidade atual, buscando construir um novo modelo de sobrevivência auto-sustentável.
Veja mais fotos e publicações recentes acessando: Facebook da Casa do Artista

sábado, 12 de maio de 2012

Momentos da Casa do Artista Riograndense - Registros passados
(parte 1)

(parte 2)

2 comentários:

  1. MEUS TRABALHOS CULTURAIS
    [12:40:56] Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan): LANÇAMENTO DA REVISTADOCINEMA MACHADENSE (TV ALTEROSA / 2005)



    http://www.youtube.com/watch?v=msoR2iUr-8M



    UMA VISÃO GERAL DOS MEUS TRABALHOS CULTURAIS

    http://www.youtube.com/watch?v=5gyGLdnpuvQ





    CHE GUEVARA POEMA LIDO

    http://www.youtube.com/watch?v=XF-MqN57-5M

    ResponderExcluir
  2. Diário de uma lacuna



    Lembranças são como páginas ao vento:

    Uma vez carregadas

    Revelam-nos o inexpugnável

    Mundo de alheios segredos.



    Uma alma, quando vazia,

    É cheia de carência,

    Um poço inesgotável

    De tristeza e frustrações.



    Exorcizei meus demônios

    Negociando com a minha loucura

    Meus últimos momentos de lucidez.



    A loucura é um prato frio

    Que nos inibe de devorá-la;

    Uma vez consumida,

    Sentimos o gosto amargo da solidão.



    Não vejo o pranto em todo olhar.

    Vejo lágrimas em cada rosto sofrido e oscilante,

    Que não param se rolar.



    A Terceira Idade chegou!

    O que era novo agora já passou;

    O que era jovem neste instante se acomodou,

    O que era tabu e pudico: em nada mudou,

    Será que a Terceira Idade se disfarçou?







    *Agamenon Troyan

    ResponderExcluir